20 de junho de 2017

SERÁ MESMO QUE DEUS É AUTOR DO MAL MORAL?

De acordo com a linha de pensamento teológico, alguns vão interpretar que Deus é autor do mal moral, o pecado. Isso está muito presente no pensamento determinista/fatalista, onde se crer que Deus determina tudo, inclusive todos os atos humanos, acarretando assim em dentro desse pensamento Deus ser o autor do pecado.
Porém, será que é isso mesmo que a Bíblia aponta? 
O texto muito usado para alegar que Deus seria o autor do mal é Isaías 45: 1 ao 7, principalmente o versículo 7. Vejamos:
"Assim diz o SENHOR ao seu ungido, a Ciro, a quem tomo pela mão direita, para abater as nações diante de sua face, e descingir os lombos dos reis, para abrir diante dele as portas, e as portas não se fecharão.
Eu irei adiante de ti, e endireitarei os caminhos tortuosos; quebrarei as portas de bronze, e despedaçarei os ferrolhos de ferro.
Dar-te-ei os tesouros escondidos, e as riquezas encobertas, para que saibas que eu sou o Senhor, o Deus de Israel, que te chama pelo teu nome.
Por amor de meu servo Jacó, e de Israel, meu eleito, eu te chamei pelo teu nome, pus o teu sobrenome, ainda que não me conhecesses.
Eu sou o Senhor, e não há outro; fora de mim não há Deus; eu te cingirei, ainda que tu não me conheças;
Para que se saiba desde o nascente do sol, e desde o poente, que fora de mim não há outro; eu sou o Senhor, e não há outro.
Eu formo a luz, e crio as trevas; eu faço a paz, e crio o mal; eu, o Senhor, faço todas estas coisas. (Isaías 45:1-7)


Reparemos que para analisar um texto, precisamos analisar seu contexto imediato, que são os versículos próximos, também o contexto histórico e também analisarmos o texto de acordo com outros textos que tratem do assunto, entre outros critério de análises, mas vou focar nestes três que citei. Ao lermos o texto bíblico a cima, vemos que Deus ta usando o profeta Isaías para profetizar a libertação do povo de Judá do cativeiro babilônico, cativeiro que ainda iria acontecer, mas Deus já estava falando da libertação, profecia que se cumpriu cerca de 200 anos depois. 
A Babilônia tinha levado cativa uma boa parte do povo de Judá (parte sul do território de Israel), Isso lemos no livro do profeta Jeremias e em lamentações de Jeremias, depois de passadas algumas décadas, Deus dá condições do império medo-persa, comandado por Ciro de entrar na Babilônia, a derrotar e agora Ciro toma conhecimento da profecia e liberta o povo. Mas reparem que o texto diz que Deus deu condições de Ciro vencer a batalha, o contexto histórico trata de uma guerra, que para o exército babilônico foi uma calamidade, dentro deste contexto o mal ali fala de calamidade, tanto que na tradução NVI no versículo 7 a palavra mal é traduzida como desgraça. 
Já no contexto imediato, que é a análise dos versículos próximos do principal a ser analisado, no caso o 7, vemos que nenhum momento o  texto trata de pecado, sim de vitória e derrota em guerra. No versículo 7 há um contrante constante nos texto entre palavras como luz e trevas, paz e mal. Dentro do contraste de paz e mal, percebemos que o contrário de paz não é pecado, e dentro desse contexto os melhores antônimo a se encaixarem aí seriam guerra, conflito e crise.
Logo, fica claro que o texto em nenhum momento fala que Deus é autor do pecado e sim fala de calamidades, onde na Bíblia vemos diversas calamidades que vem como consequência, castigo pelo pecado.
Deus tem como atributo de caráter a santidade, Ele é Santo e não compactua com pecado. 

Um texto relacionado a isso é 1 João 1: 5 ao 7:
"Esta é a mensagem que dele ouvimos e transmitimos a vocês: Deus é luz; nele não há treva alguma.
Se afirmarmos que temos comunhão com ele, mas andamos nas trevas, mentimos e não praticamos a verdade.
Se, porém, andamos na luz, como ele está na luz, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus, seu Filho, nos purifica de todo pecado."


O apóstolo João fala de parte da mensagem mensagem do evangelho, onde na mesma ele fala da essência de Deus, que é Luz e Nele não há nenhuma trevas, se analisarmos os versículos veremos que essa palavra trevas refere-se ao pecado, Deus não tem em si prazer no pecado, nem é desejoso que o mesmo aconteça e nem que pratiquemos o pecado, pois se andarmos no pecado, não teremos comunhão com Ele, mas se andarmos na luz, nos seus caminhos, onde o Salmos 119:105 diz que a Palavra de Deus é luz para nossos caminhos, teremos comunhão com Ele, com os irmãos em Cristo e assim, Jesus nos purifica de todo pecado, isso porque o desejo de Deus é que sejamos limpos do pecado, Ele não faz o homem pecar. Deus não é autor do mal moral (pecado).

Escrito pelo pastor Luis Roldan.

13 de junho de 2017

O DECLÍNIO DA SOCIEDADE QUE NEGA AS DIRETRIZES DE DEUS

O conhecer de Deus para o homem só é possível através da graça de Deus a qual liberte o entendimento do homem para ele poder compreender sua necessidade de salvação vinda de Cristo. Porém, se render a Cristo não é algo irresistível, mas sim possível (Atos 7:51).
O homem passa a conhecer a Deus através da pregação e ensino da Palavra de Deus (Romanos 10:14), mas somente quem crer no evangelho será salvo (Marcos 16:15), isso demonstra que entre conhecer e crer há uma clara diferença.   

Mas o que quero tratar não é sobre a mecânica da salvação, e sim, a possibilidade e consequências daqueles que conhecem o evangelho e o negam. 
"Porquanto, tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças, antes em seus discursos se desvaneceram, e o seu coração insensato se obscureceu.
Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos." (Romanos 1:21,22) 
Veja o texto bíblico a cima que fala claramente que algumas pessoas mesmo depois de conhecerem a Deus, não se renderam a Ele, não o adoraram e que então os seus corações se obscureceram. Não foi Deus que os privou do conhecimento Dele ou que obscureceu o coração deles, mas sim eles próprio. 
Como consequências disso, as pessoas sofrem o abandono de Deus, pois Deus oferece-lhes a salvação (Efésios 1:9), mas eles a rejeitam (Mateus 23:37), são intransigentes, não mudam de postura, então por tantas negações a graça de Deus, acabam abandonados como já estavam em seu estado, presos em suas próprias concupiscências e coisas infames e destrutivas. 
"Por isso também Deus os entregou às concupiscências de seus corações, à imundícia, para desonrarem seus corpos entre si." (Romanos 1:24) 
Isso é individualmente, mas acarreta numa sociedade doente, constantemente pecadora e até mesmo cheia de crimes.
"Além do mais, visto que desprezaram o conhecimento de Deus, ele os entregou a uma disposição mental reprovável, para praticarem o que não deviam.
Tornaram-se cheios de toda sorte de injustiça, maldade, ganância e depravação. Estão cheios de inveja, homicídio, rivalidades, engano e malícia. São bisbilhoteiros,
caluniadores, inimigos de Deus, insolentes, arrogantes e presunçosos; inventam maneiras de praticar o mal; desobedecem a seus pais;
são insensatos, desleais, sem amor pela família, implacáveis.
Embora conheçam o justo decreto de Deus, de que as pessoas que praticam tais coisas merecem a morte, não somente continuam a praticá-las, mas também aprovam aqueles que as praticam." (Romanos 1:28-32)
No versículo 28, citado a cima vemos que o mesmo fala sobre pessoas que desprezaram o conhecimento de Deus, e só despreza-se algo do que lhe foi apresentado, então Deus os deixa na sua condição inicial, sem transforma-los, sem regenerá-los, praticando assim aquilos para o que são inclinados a fazerem, que são ações listadas nos versículos a cima. 
O coas nas vidas das pessoas são apenas consequências de suas próprias escolhas, pois se tivessem se rendido a graça de Deus e O seguido, suas vidas e sociedade estariam diferentes. 
Mas ainda há tempo, arrependei-vos e busquem a Deus, seja fiel a Ele e seus mandamentos. 
"Buscai ao Senhor enquanto se pode achar, invocai-o enquanto está perto." (Isaías 55:6) 

Escrito pelo pastor Luis Roldan.

4 de maio de 2017

POR QUE DEUS REJEITA ALGUNS?

O assunto é um pouco extenso e não tenho a intenção de esgotá-lo, porém somente abordar um pouco sobre ele e assim dá uma base de o porque de alguns serem rejeitados por Deus, a tal ponto de Deus dizer que não os conhecem.
Em Mateus 7: 15 ao 23 está relatado o momento em que Jesus está falando sobre a árvore e seus frutos, numa linguagem simbólica onde a árvore são os seres humanos e os frutos são suas atitudes de acordo com seus corações. Ele também fala que nem todo que diz seguir o Senhor Deus é realmente servo do mesmo, pois sua aparência diz que sim, mas suas atitudes e sentimentos dizem que não. Logo em seguida vem a parte que mais nos chama atenção:
"
Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas?
E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade." (Mateus 7:22,23)
Parece estranho ler Deus dizendo que não conhece algumas pessoas, porém este conhecer não é no sentido de saber de suas existência e nem mesmo de saberem exatamente quem são ou o que está dentro de seus corações. Pois se assim fosse,estaríamos negando que Ele é o criador de toda a humanidade e negando sua onisciência ao dizermos que Ele não conhece todos e suas intenções. 
Porém ao dizer que não os conhecem é pelo fato de não os reconhecerem como verdadeiros seguidores, verdadeiros servos Dele.
Isso porque antes mesmo estes já tinham se colocando como não servos de Deus, tanto que os versículos seguintes Jesus fala isso, que os verdadeiros servos são os que ouvem e seguem Sua palavra. 
Estas pessoas que são rejeitadas, são as mesmas para quais Jesus veio assim como para toda a humanidade, mas estes não o receberam. 
Vejamos João capítulo 1, o qual trata da pré-existência de Jesus, sua encarnação e sua vinda para salvação da humanidade. o capítulo fala que Ele é a luz do mundo e que esta luz veio para todos os homens, porém no versículo 10 diz que o mundo não o conheceu?
Aí entra a pergunta, o  mundo conheceu Jesus? Lógico que sim!
Jesus se manifestou no mundo, Ele era famoso onde atuou em Seu ministério terreno, depois os seus discípulos haviam levado o evangelho de Cristo aos 3 continentes conhecidos até então, a saber Ásia, Africa e Europa. Hoje Jesus é conhecido em quase todos os países do mundo. Então, o mundo o conheceu, porém, em grande parte não o reconheceu como Messias. 
No versículo 11 diz que Ele veio para o que seu, a saber o mundo, porém os seus não o receberam, no caso os judeus, já que em grande parte não creram Nele como o Messias.
No 12 diz que todos os quais (de todas as nações) que o receberam, a estes deu-lhes o poder de serem filhos de Deus porque creram Nele. Ou seja, veio a oferecer a salvação a todos, mas nem todos o reconheceram como Salvador de suas almas, a estes que não o reconhecem como Salvador, negando sua graça, estes serão rejeitados por Deus. 
Isso vai além de crer, mas sim em crer e externar isso do coração até as atitudes. 
"Jesus dizia, pois, aos judeus que criam nele: Se vós permanecerdes na minha palavra, verdadeiramente sereis meus discípulos;
E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará." (João 8:31,32)  
Reparem que os Judeus em questão já tinham crido em Jesus, mas Ele vos dizia que era necessário permanecerem em seus ensinamentos e aí sim seriam verdadeiros discípulos de Jesus, então se permanecessem aí sim conheceriam a verdade e seriam libertos do jugo do pecado e da condenação eterna. 
A conclusão que chego é que Deus só rejeita, quem rejeita a Sua graça e sua proposta de salvação (Efésios 1:9). 

Escrito pelo pastor Luis Roldan.









12 de abril de 2017

POR QUE QUANDO DEUS FECHA A PORTA É BOM?

Além de sabermos que tudo que Deus é bom, quero explicar baseado em alguns parâmetros bíblicos para não parecer clichê. Primeiramente quero me basear em um texto, que está em Apocalipse 3:7 que diz assim:
"E ao anjo da igreja que está em Filadélfia escreve: Isto diz o que é santo, o que é verdadeiro, o que tem a chave de Davi; o que abre, e ninguém fecha; e fecha, e ninguém abre."
Vamos falar do contexto histórico do texto, pois neste momento Jesus falava ao apóstolo João, o qual Ele tinha arrebatado ao céu para lhe mostrar e falar sobre acontecimentos presentes da época e do futuro. Então nos 2 primeiros capítulos do livro, Jesus fala pra João entregar mensagens aos líderes (aqui chamados de anjos da igreja) de 7 igrejas locais na Ásia menor, dentre e essas igrejas, estava a de Filadélfia, e se falarmos do contexto imediato do texto, vemos uma igreja que não recebeu reprimenda do Senhor, só elogios e incentivos, tanto que no versículo 8 já vemos Jesus incentivando a tal igreja.
Dentro desse incentivo, Jesus está dizendo que Ele tem toda autoridade, inclusive para abrir portas e fechar portas. Quando falamos de portas abertas lembramos logo de providência de Deus, de bênçãos e etc. Porém quando falamos de portas fechadas se convencionou a pensar em coisas ruins, como falta de oportunidade, falta de emprego e etc.Mas perceba que porta fechada por nossas atitudes são ruins, mas quando é Deus é bom, pois assim como quando Ele fez o mundo e viu que tudo que fez era bom bom, tudo que Ele faz continua sendo bom, além disso, o texto aponta para incentivo, Ele ta querendo dizer que devemos nos alegrar quando Ele fecha portas. Baseado nisso eu quero trazer momentos na Bíblia que demonstra que portas fechadas por Deus ou a mando Dele são bênçãos.
1- livramento:
No Egito o povo de Israel cativo, escravizado, estavam experimentando a ação de Deus e os egípcios experimentando as pragas. Na 10ª praga Deus envia um anjo a matar todos os primogênitos do Egito, para então faraó vir a soltar o povo de Israel. 

Só que Deus disse que o povo israelita deveria matar um cordeiro e cada uma entrar em sua casa e fechar a porta, o anjo da morte ao vê o sangue do cordeiro sobre os umbrais da porta fechada, ia passar direto sem fazer mal a ninguém. Sabemos que o principal motivo do livramento foi a obediência. Quando estamos na direção de Deus, algumas portas se fecharão, mas serão também para nos livrar de males.
2- intimidade:
Jesus uma vez indicou a fecharmos a porta de nosso quarto e orarmos sozinhos em secreto a Deus. Há momentos que Ele fecha portas e parece que estamos abandonados pelas pessoas, mas é só um tratar Dele para nos refugiarmos em seus braços e buscarmos mais um relacionamento em oração com Deus, gerando em nossas vidas mais intimidade com  o Pai.

3- Ressurreição: Quando Jairo pede para Jesus curar sua filha, Jesus atende indo com Ele. Ao chegarem a casa de Jairo a menina já ta morta, então Jesus manda que boa parte das pessoas ali presentes saiam e Ele, a família da menina e poucos discípulos entram no quarto e fecham a porta, então Jesus ressuscita a menina. 
Há momento que Deus fechará portas em nossas vidas para trazer as bençãos Dele sobre nossa vida. Aos 18 anos eu cheguei perto de ser jogador de futebol profissional, mas não aconteceu, hoje entendo que o que Deus tinha para mim era o ministério pastoral. Tem pessoas que estavam com áreas de suas vidas morrendo, como casamento, projetos, ministérios, e Deus teve que fechar uma porta para ressuscitar tais áreas.

Escrito pelo pastor Luis Roldan.